O que é a DASH?

dash

DASH é dinheiro, é ouro em sua forma digital. Uma criptomoeda que evoluiu a partir da Bitcoin corrigindo falhas e aperfeiçoando-se para se tornar digital cash, uma tecnologia espetacular que devolve ao cidadão sua soberania financeira, liberdade e privacidade, nesta era em que a imposição de uma cashless society está se tornando um fator cada vez mais determinante. E você, cidadão, está aqui. Então, bem-vindo ao revolucionário mundo das criptomoedas: uma revolução descentralizada.

Este é um mundo novo, mais do que tudo, por isso, é o futuro. Para entender esse mundo novo, é preciso conhecer primeiramente todo seu arcabouço filosófico, seus reflexos na liberdade individual e no papel estatal, demandando principalmente consciência da diferença conceitual entre moeda e dinheiro, e porque uma moeda fiduciária (fiat money) não pode ser considerada, verdadeiramente, dinheiro.

O mais preocupante é perceber que estamos mergulhados no mundo do doublespeak. Um mundo em que a “guerra contra o terror” tornou-se a maior causadora de atos terroristas na história da humanidade. Um mundo em que a “guerra contra as drogas” deu base ao aumento em mais de quarenta vezes na produção de ópio. Essas chamadas guerras nada mais são que pura propaganda, e são eficientes em distorcer a realidade para tornar quaisquer questionamentos ou pontos de vista destoantes em atos de traição. Aonde vamos parar com isso?

A “guerra” dos governos contra o dinheiro em espécie (cash) está se intensificando, beneficiando cada vez mais as instituições bancárias que passam agora a submeter seus correntistas à cobrança de taxas de juros negativas sobre seus saldos, sob o falso pretexto do combate à deflação.

A DASH oferece uma forma segura de reserva de valor, bem como um meio de pagamento eficiente que, por meio da criptografia, se mantém imune às tentativas dos governos de desvalorizar o suado dinheiro fruto do trabalho do cidadão.

A nova “guerra contra o cash” é, na verdade, uma guerra contra a liberdade, e a DASH é a garantia que o cidadão tem para se proteger nessa guerra.

Com base em todo o contexto aqui exposto, é preciso ressaltar que a premissa básica das criptomoedas é tratar-se de um sistema totalmente trustless, ou seja que funciona de maneira descentralizada de modo a garantir que cada indivíduo não mais dependa da confiança em suas relações com terceiros. Com isso, o que as criptomoedas propõem é que você seja seu próprio banco!

Mas o que significa “ser seu próprio banco”?

Em primeiro lugar, LIBERDADE.

Você não mais se submeterá àqueles estresses cotidianos que as instituições bancárias nos impõem. Nada de filas, nada de anuidades, nada de tarifas extorsivas, nada de prazos absurdos para compensação.

Entretanto, mais liberdade sempre exige mais RESPONSABILIDADE.

Você passa a ser responsável pela segurança de seu dinheiro, e é esse o maior detalhe a sempre se dar atenção: você vai deixar de depender de terceiros, se tornará independente. É a independência no âmbito monetário. Tenha sempre consciência de suas decisões para proteger sempre, você mesmo, sua segurança: lembre-se, agora você é livre, independente. Você é seu próprio banco!

 

Originalmente conhecida como Darkcoin, a DASH é uma Criptomoeda PoW (Proof of Work) como a Bitcoin. Diferentemente das moedas PoS (Proof of Stake), as moedas proof of work são obtidas por meio de “mineração”.

Contando com um sistema de Masternodes, a DASH se beneficia de uma rede paralela que garante a privacidade* dos usuários, ao mesmo tempo que possibilita a implementação de inúmeros serviços, funções e aprimoramenos, dando ainda uma maior segurança a todo o sistema D A S H.

(* As transações em Bitcoin não oferecem privacidade, podendo ser rastreadas sem grande esforço.)

Os Masternodes são nodes (pontos) da rede DASH (criados pelos próprios usuários dessa rede) que tem a função específica de prestar o serviço de “coin mixing” (embaralhamento das moedas). Tal serviço foi batizado como Darksend, e é capaz de tornar anônimas as transações em DASH, garantindo assim a total fungibilidade da moeda DASH.

Cada Masternode recebe por seu serviço prestado à rede uma remuneração proporcional às moedas que foram mineradas no respectivo bloco.

O requisito para funcionamento do Masternode é que sejam mantidos 1.000 DASH vinculadas exclusivamente para o Masternode específico.

O sistema somente vai aceitar um Masternode se estiver relacionado a um endereço contendo ao menos essas 1.000 DASH. Caso esse requisito não seja preenchido (por exemplo, se as 1.000 DASH forem movidas do endereço original) o Masternode é rejeitado. A razão dessa exigência é garantir maior segurança à rede DASH, pois com o cada vez maior número de Masternodes, somando-se o preço de 1.000 DASH, torna-se progressivamente mais caro, e assim inviável, para um indivíduo mal intencionado criar Masternodes em número suficiente para comprometer o sistema.

As moedas estão seguras, já que essas 1.000 DASH ficam em cold wallet (offline), eliminando o risco de serem hackeados/roubados. O importante é que na configuração do Masternode seja comprovado o domínio sobre o endereço contendo as 1.000 DASH, e toda vez que o sistema for checar o Masternode vai verificar no blockchain se as moedas continuam lá.

E as moedas não ficam, de forma alguma, presas, já que podem ser utilizadas a qualquer momento, sendo que nesse caso o Masternode é automaticamente excluído da rede, somente podendo ser reativado com nova configuração informando novo endereço contendo 1.000 DASH.

Existem alguns serviços de “pool” de Masternodes, em que indivíduos que possuem menos que 1.000 DASH se quotizam, pagando uma remuneração ao administrador, e recebendo semanalmente ou mensalmente os lucros proporcionais. No DASH Talk há vários desses serviços em andamento.

Existem também serviços de adminstração de Masternode para pessoas que tem as 1.000 DASH, mas que não querem ter o “trabalho” de configurar e manter o node em funcionamento, muito embora seja tão simples a instalação e manutenção, havendo diversos tutoriais passo a passo.

Até algumas semanas atrás haviam um máximo de 1.100 Masternodes ativos. Um número relativamente pequeno, que não crescia muito por conta das dificuldades que antes haviam para se configurar e manter vários Masternodes ao mesmo tempo. Esse número restrito de Masternodes fazia com que a divisão dos pagamento fosse muito atrativa, e o retorno por cada Masternode, bem grande.

Recentemente foi implementado um novo comando (start-many) que facilita a criação e manutenção de Masternodes em massa, o que fez com que houvesse um recente boom no surgimento de Masternodes. Isso porque possuidores de grande quantidade de DASH (que anteriormente não estavam dispostos ao trabalho de configurar e manter vários Masternodes separadamente) agora sentiram-se atraídos com a facilidade do “start-many”.

Com o crescimento no número de Masternodes, a divisão dos pagamentos entre os Masternode tenderia naturalmente a ir ficando um pouco menos lucrativa, mas como para a rede DASH o importante é que haja uma grande quantidade de Masternodes, um dispositivo de “equilíbrio” está sempre cuidando para que seja interessante (lucrativo) se manter um Masternode. Está previsto um aumento gradual nos pagamentos aos Masternodes ao longo do tempo, de modo a ser estimulada a manutenção do número ideal de Masternodes.

Fonte: Mercado Dash